Tendências para as redes residenciais em 2021

Serão fundamentais um melhor rendimento da rede e implementações de DOCSIS, serviços de streaming e dispositivos inteligentes para casas conectadas.

Com as ofertas de fim de ano e os presentes de Natal, os consumidores acrescentaram ainda mais dispositivos conectados às suas casas. Assistentes inteligentes, câmeras de segurança, eletrodomésticos e outros itens com inteligência artificial deixam as casas cada vez mais conectadas, e esse aumento contínuo de novos itens demonstra o quão importante é a conectividade, principalmente agora, quando a maioria de nós trabalha ou estuda em casa.

Se antes da chegada da pandemia você ainda não via a conexão Wi-Fi como um novo componente da Pirâmide de Maslow – que define a hierarquia das necessidades básicas –, provavelmente mudou de ideia. Enquanto esperamos o retorno à normalidade, ainda se percebe que grande parte da aceleração dos serviços digitais se manterá neste ano e continuará até 2022.

Aqui estão algumas das tendências em redes domésticas mais importantes neste momento.

Confiabilidade e rendimento do Wi-Fi

Com a pandemia transformando todos os cômodos da casa em lugares de trabalho e estudo, acentua-se a importância do alto rendimento da rede doméstica de conexão sem fio. A chegada do Wi-Fi 6 e o aumento de 15% para 35% que proporciona no rendimento geral na comparação com as soluções Wi-Fi 5 anteriores nos permitirão ver um forte crescimento na implantação de mais pontos de acesso.

Enquanto os dispositivos legados prevalecem e não proporcionam melhoria máxima no rendimento do Wi-Fi 6, a capacidade de criar uma nova base de rede doméstica não deve ser supervalorizada. As novas soluções Mesh de nós interligados para os pontos de acesso múltiplos de Wi-Fi 6, aliadas aos softwares de gestão de rede, também se transformarão no padrão, já que melhoram o rendimento dos equipamentos de ampliação do sinal. A confiabilidade dessas soluções deve ser controlada por outras baseadas em aplicações na nuvem.

Melhorias na capacidade das redes domésticas.

 Estima-se que tenha ocorrido um incremento de mais de 50% no tráfego de upstream durante os últimos nove meses, enquanto trabalhamos, estudamos e vivemos mais tempo em casa. O uso de videoconferências e o armazenamento compartilhado na nuvem demonstraram como a melhoria na capacidade de upstream e downstream pode beneficiar nosso potencial de competir e viver em uma economia digital acelerada. Esperamos ver mais capacidade acrescida ao DOCSIS de upstream em 2021, com uso maior dos 204 MHz que incluímos em muitas das nossas soluções. Também veremos uma necessidade maior de passar de soluções GPON de 1 Gbps para XGS-PON de 10 Gbps, como preparação para futuros serviços.

Os provedores de serviços estão se transformando em superagrupadores de serviços residenciais.

Serviços agregados de streaming

No ano passado observou-se um consumo cada vez maior dos serviços de transmissão de vídeo OTT (Over The Top, ou distribuição de conteúdo pela internet), com o crescimento da maratonagem de séries, devido à permanência em casa e ao fato de os filmes irem diretamente para o streaming. Com mais serviços de OTT online, cresce a necessidade de agregá-los e de simplificar a experiência do consumidor. Embora os provedores de serviços tenham integrado o streaming em suas próprias ofertas de televisão por assinatura, agora se prestará mais atenção ao consumidor de banda larga com streamers fornecidos pelas operadoras. Esse movimento acelerará a mudança, por parte das operadoras de cabo, da entrega de vídeo baseada em QAM para todos os serviços de vídeo IP residencial.

Assistentes inteligentes

Com os assistentes inteligentes amadurecendo a ponto de poderem ser adicionados como uma integração S/W nos dispositivos, ocorre a aceleração de múltiplos assistentes que coexistem em um só dispositivo doméstico. Soluções como a Iniciativa de Interoperabilidade de Voz (VII) estão rompendo as barreiras técnicas e de interface de usuário para permitir que o assistente inteligente de um provedor de serviço trabalhe de forma coerente com os demais. Como os consumidores também se preocupam com a privacidade em relação aos assistentes inteligentes, haverá mais atenção e inovação nesse quesito, para deixar o usuário confortável e estimular o uso desse recurso.

Serviços de IoT

 Com o aumento do número de casas conectadas sobre IP (CHIP), espera-se que seja criada uma central única na residência, com uma conexão IP para todos os serviços e aplicações de internet das coisas. Isso eliminará alguns dos problemas de fragmentação e implementação das soluções inteligentes residenciais e simplificará a experiência do usuário. Também proporcionará uma oportunidade única para que os provedores de serviços ofereçam a função de agregação de IoT para todos os serviços disponíveis na residência.

Novas soluções para residências

Os provedores esperaram muito tempo pela oportunidade de disponibilizar novos serviços para os dispositivos domésticos nos quais investiram. Neste ano será possível ver o surgimento de plataformas capazes de desenvolver novos serviços a partir da nuvem, como a IoT, a segurança, os assistentes inteligentes e a baixa latência sob demanda em um marco padronizado e fácil de desenvolver. Isso dará impulso à inovação e às oportunidades de receita para os provedores de serviços.

O consumo de mídias em toda a casa também se padronizará nas plataformas dos provedores de serviços, e cada cômodo poderá acessar todas as mídias, dos serviços de áudio aos de vídeo, com a simples colocação de dispositivos em cada cômodo, permitindo uma experiência cruzada.

As consultas médicas virtuais e a telemedicina são outras áreas que registraram aumento significativo nos investimentos, à medida que avançamos em direção a soluções digitais e tecnológicas para as residências.

Serviços mais confiáveis e de baixa latência

Com a criação do Wi-Fi 6E e os primeiros produtos disponíveis para o novo espectro, devem surgir em 2021 novas soluções que usarão essa enorme capacidade para uma série de aplicações. Esperamos que o Wi-Fi 6E dê outros passos em 2022 e 2023, à medida que o espectro seja liberado em todo o mundo e comecem a chegar mais clientes e novas aplicações. Com esse novo espectro de 6GHz, o rendimento do Wi-Fi deve, pela primeira vez, igualar-se ao de uma conexão por cabo. Coincidentemente, para quem está nas redes DOCSIS, o acréscimo de suporte de baixa latência se alinha com essa nova capacidade do Wi-Fi 6E para conduzir um serviço de baixa latência residencial. Conhecer a pontuação da latência na sua rede será tão importante quanto a largura de banda do seu provedor de serviços.

Texto de Joe Chow - vice-presidente sênior de redes domésticas da CommScope

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *